Compartilhe com seus amigos:

A primeira preocupação que tive em fazer turismo na Ásia, foi que era uma longa viagem e passaria longas horas no avião, portanto conforto e segurança eram fundamentais. Faz toda diferença escolher uma boa companhia aérea. Eu escolhi a Latam e não me decepcionei. Com pontualidade, segurança no voo, produtos de bordo com altíssima qualidade, excelência nos serviços, tripulação simpática, prestativa e profissional, poltronas com bom espaço e conforto, opções gastronômicas de primeira qualidade, inclusive com uma excelente carta de vinhos. Fiquei tranquilo na viagem, tanto nos vôos de ida e retorno. Começando bem, temos tudo pra aproveitar melhor os lugares.

Recomendo a Latam – Excelente experiência de voo.

Cingapura

Esta brilhante aventura de turismo na Ásia tem início na moderna e dinâmica Cingapura, uma amostra pungente da paradoxal relação entre tradição e modernidade. Cingapura tem muita história, cultura e um estilo de vida multirracial com muita disciplina e regras, que fazem desta cidade um paraíso em segurança, educação e qualidade de vida. O interessante é que mais ou menos uns 60 anos atrás, Cingapura era um lugar pobre, acredite. Seu primeiro-ministro na época, Lee Kuan Yew, tomou medidas que transformou o pobre pais portuário em um dos mais ricos centros mundiais. Principalmente com medidas fortes contra a corrupção, ele criou a Suíça da Ásia, modelo de prosperidade e que tem muito a nos ensinar.

Escolhi em Cingapura, o The Quincy Hotel, pela sua localização e serviços de qualidade. Esse hotel capta um pouco do que é estar em Cingapura, pela sua arquitetura, detalhes personalizados e uma piscina que tem linda vista, onde experimentei uma sensação única no contato com aquele lugar. Ficamos contentes quando nossa expectativas são excedidas e isso aconteceu na minha estadia lá. Saí maravilhado.

Vista de Singapura – Créditos: https://www.hyatt.com

Depois de passar um tempo em Cingapura, peguei o ônibus rumo à Kuala Lumpur, capital da Malásia. A viagem tem 358 km em média e durou umas 4 horas. Esse é um trecho bem movimentado de turismo. Os ônibus têm poltronas bem confortáveis e serviços de bordo, com comida. Eles costumam fazer uma parada no percurso para permitir os passageiros irem ao banheiro e comprar bebida ou frutas.

A cidade que eu fui, Kuala Lumpur na Malásia tem o maior crescimento econômico do país. É uma cidade de contrastes, com maravilhas arquitetônicas e muita riqueza em 10% de seu território e os outros 90% é um caos, muita bagunça, mal cheiro e sujeira, esta parte da cidade é muito parecida com o Brasil. Embora sempre seja interessante desvendar culturas diferentes, tive certa experiência ruim com o cheiro de esgoto, ruas sujas e as pessoas mal educadas e ignorantes no volante de um carro ou moto. Se você não prestar atenção em como e onde anda, uma das milhões de motos cruzando seu caminho podem passar em cima de você em um piscar de olhos.

Agora as Torres Gêmeas Petronas, famosas “Petronas Twin Towers” são magníficas, uma das poucas coisas interessantes da capital da Malásia, mas que que deixam qualquer um atônito com sua imponência.

Petronas Twin Towers – Malásia – Créditos: André Nalini/Lugares Turísticos

Tailândia

A Tailândia é uma escolha natural para quem está em turismo pela Ásia, pela riqueza cultural, belezas naturais e excelente custo-benefício. Para fazer meu percurso até Phuket, na Tailândia, voei pela Air Ásia e o percurso foi tranquilo.

Phuket, onde escolhi começar minha viagem pela Tailândia, é a maior ilha do país com mais 32 pequenas ilhas paradisíacas ao seu redor. São várias as atrações turísticas com inúmeras praias, uma linda natureza, muita cultura, locais de mergulho, vasta gastronomia, shows e muitas outras opções. Existem muitos lugares inesquecíveis lá, como Patong Beach, a badalada Bangla Road com dezenas de restaurantes, bares, casas noturnas, boates, salas de massagem e inferninhos. O agito começa às 18 hs e lá pelas 23 hs o bicho está pegando. Fiquei hospedado no Resort & Spa Twin Sands, um resort spa sensacional.

Phuket Tailândia – Créditos: André Nalini

De Phuket saímos de Ferry Boat, uma viagem de 1 hora e meia até a paradisíaca e famosa Phi Phi Island, um dos tesouros da Ásia. Localizadas no Oceano Índico, as Ilhas Phi Phi formam um arquipélago entre a Ilha de Phuket e o continente. Hoje elas são, certamente, as ilhas mais famosas da Tailândia com um enorme movimento turístico. A Koh Phi Phi Don é a ilha dos hotéis, resorts, restaurantes, bares, casas noturnas, comércio e um centrinho super agitado. A Koh Phi Phi Leh é uma reserva natural com as praias paradisíacas de May Bay (onde foi filmado “A Ilha”), praia dos macacos, Viking Cave e muito mais.

Phi Phi Island – Tailândia Créditos: phuket.com

Depois de aproveitar bastante as ilhas, seguimos para Bangkok, capital do país. Vale comentar que as passagens aéreas dentro da Tailândia têm um custo-benefício fantástico.

Bangkok é uma cidade frenética, internacional, fascinante e caótica. Tem uma mistura de moderno com antigo e velho, como é característico em muitos países da Ásia. São centenas de templos sagrados junto com lugares exóticos e opções de prazeres dos mais variados. Uma vasta gastronomia e spas de massagem espalhados por cada esquina da cidade. Um dos trânsitos mais loucos que já vi em minhas muitas viagens pelo mundo. Devido a simplicidade da população e da quantidade de turistas especialmente chineses é uma cidade um tanto quanto suja e em muitos lugares o cheiro não é dos melhores, mas, mesmo assim é uma cidade sensacional. São 3 estações por ano, tem a estação quente, a muito quente e a extremamente quente e úmida.

Em Bangkok são vários os canais, alimentados pelo rio Chao Phraya, que percorre 372 km até a cidade, facilitando o tradicional comercio e locais de comida típica em torno dos percursos. Passear de barco por estes afluentes é folclórico e faz parte da cultura tailandesa.

Vista de Bangkok, Thailandia – Créditos: https://www.fotoklubzagreb.hr

Parti de Bangkok para Chiang Rai, que está localizado no norte da Tailândia, à menos de uma hora do Triangulo de Ouro, que é a divisa da Tailândia, Laos e Myanmar, através do Rio Mekong. Lá existem centenas de templos e atrações turísticas, o templo mais famoso é o White Temple, mas, tem também o Wat Huai Pla Kung e a Casa Negra. O “White temple” foi construído na cor branca com milhares de pedaços de espelhos formando mosaicos que brilham com o reflexo do sol. Também visitamos o templo “Baan Dam” mais conhecido como “Black House” que são várias casas de linhas sombrias e escuras. O povo local chama o White Temple de “Heaven” e a Black House de “Hell”. Destaco também o “Wat Rong Khun”, um templo magnifico, contemporâneo e nada convencional no estilo budista.

A região também têm ótimas opções de resorts, restaurantes e bares. As mulheres do norte da Tailândia são lindas, simpáticas e muito femininas.

White Temple – Créditos: André Nalini

Depois de desfrutar da riqueza de Chiang Rai, parti rumo a Chiang Mai, na região montanhosa ao norte da Tailândia, mais ou menos uma hora do Triangulo de Ouro. A paisagem é cortada pelos Rios Ping e Kok. É a segunda maior cidade do país. São várias as atrações para o turismo, além da vida noturna agitada, também se encontra: templos famosos, parques, sítios com criação de Elefantes. Existem também várias tribos tradicionais ao norte da cidade, entre elas a Baan Tong Luang que é a tribo das Mulheres Girafas (Giraffe Women). Uma cidade superinteressante com um povo acolhedor e simpático. Do moderno aeroporto de Chiang Mai a viagem continua com um voo rápido e seguro para Hong Kong.

Chiang Mai, Tailândia – Créditos: André Nalini

Hong Kong

Hong Kong é uma região administrativa próspera que até alguns anos atrás fazia parte da Inglaterra. Atualmente está ligada a república popular da China, mas ainda mantem a língua inglesa junto ao mandarim e também a própria moeda, o HK dólar. Prédios altíssimos, mais de 100 andares, muitas luzes, um movimento frenético 24 horas por dia, muitos turistas para todos os lados, excelentes restaurantes, bares, shoppings chiques, hotéis luxuosos e diversão para todos. Hong Kong é uma loucura. Um destino único e especial. Durante a noite, quando o sol se põe e a umidade e o calor forte do dia diminuem, Hong Kong realmente brilha, um verdadeiro show de luzes. Há muitas atrações tanto à noite como durante o dia, reconhecidamente muitos deles voltados para o hedonismo. Repleto de diversão, cultura e pessoas lindas.

Após a excelente experiência em Hong Kong, fui para a cidade de Guangzhou na China de trem, com muito conforto e excelente custo-benefício.

Vista de Hong Kong – Créditos: André Nalini

China

A China é o maior país da Ásia e o mais populoso do mundo com quase 1.4 bilhão e meio de habitantes, quase 1/5 da população da terra. A republica popular da China oriunda do comunismo é atualmente a segunda maior economia do mundo, mas os benefícios do crescimento financeiro não foram distribuídos entre a população chinesa, resultando em uma ampla lacuna sócio-econômico-cultural. Atualmente a China é o lugar onde tem o maior número de bilionários e milionários do mundo sendo todos descendentes privilegiados do governo e de seus companheiros. A maioria da população vive na pobreza. O governo é autoritário e a população chinesa humilde e obediente. A disciplina é rígida, o chinês trabalha de 10 à 12 horas por dia e folga apenas a cada 7 dias. As crianças estudam em período integral e não basta ter boas notas, são cobradas para terem a melhor.

Vista de Shangai, China – Créditos: André Nalini

Além da desigualdade clara que percebemos quando passamos pelos lugares, também vemos em comum com o Brasil, muitas vezes a ignorância e a falta de respeito.

Atualmente, a China proíbe WhatsApp, Facebook, Skype, Google, etc. Assim como também não há acesso a Netflix e os filmes estrangeiros são todos avaliados pela rígida censura. O governo não quer que a população tenha acesso a informações estrangeiras. Por isso já vá preparado para mudar totalmente sua rotina, se for alguém que não vive sem as redes sociais.

Na China, estivemos em Guangzhou, Shanghai, Pequim e Qingdao e utilizamos o trem como transporte para realmente conhecer a cultura deste grande país, lembre-se, para comprar as passagens de trem e para viajar é obrigatório a apresentação do passaporte.

Vista de Qingdao – Créditos: André Nalini

A viagem de Qingdao na China para Incheon na Coreia do Sul foi realizada de navio “Weidong”. Eu era o único não asiático nesta viagem, os avisos sonoros e as informações eram somente em chinês e coreano, mas a alegria é universal e percebe-se a excitação de todos a bordo deste cruzeiro entre os 2 países. O sol quente de verão se põe e o céu no horizonte do mar fica rosado. Um grande espetáculo. De certa forma é um outro mundo, cheio de descobertas que me faz sentir como uma criança, tentando entender e aprender a cultura desses povos diferentes.

Seul

Vista de Seul – Creditos: https://theflightfinder.com

Seul, capital da Coreia do Sul, é uma enorme metrópole onde modernos arranha-céus, a melhor internet do mundo, metrôs e transporte público de alta tecnologia e a cultura POP convivem com templos budistas, palácios tradicionais, históricos e mercados de rua. fiquei sabendo que todo coreano comemora o aniversário juntos no primeiro dia do ano. O povo é extremamente educado, consumista e loucos por grifes. É de certa forma surreal ver como as coisas funcionam e progridem de forma ordenada naquele lugar.

Japão

Vista do Monte Fuji de Tókio – Créditos: https://yutaka.london

De Seul para Tóquio no Japão a viagem foi com a fantástica companhia. A Aérea JAL (Japan Airlines) com um atendimento impecável e uma qualidade de voo fantástica. Recomendo utilizar o aeroporto de Gimpo em Seoul e o aeroporto de Haneda em Tóquio, ambos próximos do centro das cidades e com fácil acesso através do metro ou monotrilho, excelente opção de transporte público, bem pratico.

Trem Bala em Tokio, Japão – Créditos: https://www.kashiwaya.org

Tóquio no Japão. Do outro lado do mundo. A curiosidade e a paixão pela vida me levaram até lá. Tenho grandes memórias da perfeita harmonia entre o antigo e a tradição com o novo, moderno e futurístico. Conhecer o DNA do desconhecido e tentar entender e aprender a cultura e os costumes de povos diferentes nos faz nascer de novo.

Estive no Shibuya Crossing, Tóquio. Um dos pontos turísticos mais famosos e considerado o cruzamento mais movimentado do mundo com 5 faixas de pedestres. Esse cruzamento é um caos organizado quando as pessoas atravessam das calçadas de todos os lados sem se tocar. Shibuya é popular entre os jovens do Japão e possui lojas de grife, restaurantes, bares e discotecas da moda. Aqui você encontra também ruas e becos tradicionais do Japão. Naquela região também tem o Bairro de Asakusa, com seu incrível templo budista que rasga uma cidade moderna, mostrando respeito pela tradição.

Asakusa, Japão – Creditos: André Nalini

Quando cheguei em Tóquio, no Japão, faziam 4 meses viajando pela Ásia, vivenciando e descobrindo detalhes de vários lugares. Cada um com sua história e beleza própria, países e cidades, como Cingapura, Hong Kong, Taiwan, Coreia do Sul e Japão governados seriamente e honestamente, levando o povo a um alto padrão e qualidade de vida, enquanto Indonésia, Malásia, Tailândia e China com governos ineficazes e corruptos lembram um pouco o caos que temos no Brasil.  A grande lição que levo dessa viagem é ver o quanto a honestidade e educação transformam uma sociedade e saí de lá com certa esperança de um dia ver um pouco dessa prosperidade de alguns lugares que visitei, brilhar também em nossa terra.

Sobre o autor desta matéria:

André Nalini é atualmente consultor internacional em gestão hoteleira e escreve como jornalista autônomo sobre turismo e hotéis, é formado em Hotelaria pela Ecole Hôtelière de Lausanne na Suíça, com MBA em Business e Educação Física nos EUA e curso de especialização em marketing hoteleiro na Hebo em Haia, Holanda. Leva na bagagem experiência profissional como gerente geral em redes e empreendimentos hoteleiros como Club Med, Hotel Praia do Forte Eco Resort, Hotel Caesar Park, Hotéis Blue Tree Park, Hotel Pestana Exclusive Angra dos Reis e Hotéis Marina no Rio de Janeiro. Prestou consultoria na implantação do Hotel Boutique Villa Rasa Marina em Búzios e para os Hotéis Opera em Moscou e St. Petersburg na Rússia, Kiev na Ucrânia e Minsk em Belarus. Recebeu recentemente o título de World Top 1 Advisor da Trip Advisor. É especialista em viagens internacionais.